Rio de Janeiro AquiRio de Janeiro Aqui

Convento de Santa Teresa e Arcos da Lapa Retratados em 1820

O Convento de Santa Teresa se tornou um ponto destacante do Rio de Janeiro, de onde se obtinham belas vistas do centro da cidade e Baía de Guanabara. Os Arcos ou Aqueduto da Lapa foi uma das mais importantes obras de engenharia do Brasil Colonial. Juntos na mesma pintura retratam uma época e uma cena que só existe igual na imagem do pintor que a eternizou.

Descrição da Cena

A pintura em questão foi feita por Richard Bate, um negociante Inglês e também pintor amador, que estabeleceu-se no Brasil em 1807, vindo juntamente com sua família. Juntamente com os chamados pintores viajantes que estiveram no Brasil no século 19, Bate ajudou com seu trabalho a documentar e imortalizar uma época, com cenas captadas pelos olhos de artista e reproduzidas através do desenho, aquarela e pintura. Era um um tempo em que a máquina fotográfica ainda não havia surgido e a história era registrada em termos visuais pelas mãos dos artistas, com algumas impressões pessoais e até distorções ou cortes nas cenas.

Os Arcos do Aqueduto

A gravura em que Bate mostra o Convento e Igreja, juntamente com os Arcos da Lapa, ou antigo Aqueduto da Carioca, parece bastante realista, exceto pelo fato de ter omitido grande parte do morro de Santa Teresa, o que deu um aspecto talvez mais bonito ao quadro do pintor.

O casario que existia no local na época, também parece ter sido representado de forma bastante fiel. Quanto aos Arcos da Lapa, ele o representou como era originalmente, com pedras aparentes, sem emboço ou revistimento. O único fato que talvez peque em sua representação, seja no topo do Aqueduto, por onde correria a agua, parece existir muito pouca espessura no centro do arco, assim como os circulos vazados parecem chegar muito em cima. A rua mostrada do lado direito, é a Rua Matacavalos, que atualmente se chama Rua do Riachuelo.

O Convento e Igreja em 1820

O convento de Santa Tereza e sua Igreja se tornou um ponto destacante na paisagem do Rio de Janeiro, a partir do final do século 18 em diante e aparece em algumas pinturas feitas no final do século 18 e a partir do início do século 19. Entretanto existem muito mais pinturas feitas a partir do Convento e contemplando a cidade do que pinturas retratando o próprio convento e sua igreja. Do local do convento, se obtinha belas vistas da cidade, vistas estas até então desobstruídas pelas inúmeras construções que foram erguidas no século 20.

Convento de Santa Teresa e Arcos da Lapa em 1820

Passe o mouse sobre a imagem para ver uma comparação com o cenário atual.

Acima, o Convento de Santa Teresa e o Aqueduto da Carioca em 1820, em pintura de época, de autoria de Richard Bate. A construção que fica em frente aos arcos não existe mais e os arcos hoje em dia são revestidos por emboço e pintados de brancos. As construções do lado direito dos arcos, algumas fechando as arcadas, por detrás de um muro alto, também foram demolidas. Do lado direito aparece a Rua Riachuelo, que naquele tempo se chamada Rua Mata-Cavalo. Nesta época a Av. Men de Sá ainda não havia sido aberta nem existia a Praça da Cruz Vermelha. Tanto a praça como a Av. Men de Sá foram abertas após o desmonte do Morro do Senado, que teve início em 1891.

Observe que na pintura o Morro de Santa Teresa aparece bastante desmatado mas com algumas árvores. Ainda assim com toda a superfície coberta de verde, provavelmente mato e capim, usada para pasto. Se observar bem na foto maior, mostrada no topo da página, pode-se ver cabras pastanto perto da antiga estrada que levava ao convento. Àquela época, muitas montanhas do Rio estavam bastante desmatadas, devido ao uso e venda de madeira. Somente ao tempo ao tempo de Dom Pedro Segundo, na segunda metade do século 19 existiu uma consciência de replantio, quando existiu inclusive o reflorestamenteo da Floresta da Tijuca.

Comparação com o Cenário em 2011

Ao passar o mouse sobre a imagem da pintura de 1820, esta se alterna para uma foto atual, tirada aproximadamente do mesmo local, porém de um ponto mais distante de onde provavelmente estava Bate ao fazer o esboço de sua aquarela.

Na foto, algumas folhagens de árvore estão obststruindo parcialmente a visão do convento, mas este foi indicado na foto para que seja possivel ter uma melhor compreensão do convento inserido no cenário atual.