Rio de Janeiro AquiRio de Janeiro Aqui

Floresta da Tijuca

Existe uma inteira floresta tropical dentro da cidade do Rio de Janeiro com atrações da natureza e históricas. Esta é a Floresta da Tijuca, a maior floresta urbana do mundo. No local existem mirantes, lagos, sítios históricos, trilhas e muitos caminhos pitorescos.

Sobre o Parque Nacional e Floresta da Tijuca

O Rio de Janeiro, devido à suas particularidades geográficas e topografia, tem uma particularidade interessante. Em 15 minutos voce pode sair da selva de concreto e entrar na selva da Floresta da Tijuca.

Floresta da Tijuca | Vídeo

Vídeo de 2 minutos de alguns dos principais pontos e atrações da floresta

Vista de cima da Pedra da Gávea, que se localiza no Parque Nacional da Floresta da Tijuca

A foto acima é uma vista do topo da Pedra da Gávea que e também parte do Parque Nacional da Floresta da Tijuca, estando no Setor C.

É talvez dificil imaginar uma transição mais drástica. Mas este é um fato, pode-se até demorar a chegar aos portões de acesso do parque florestal, mas uma vez lá chegando, esta é a sensação.

O parque florestal da tijuca é realmente uma enorme floresta de mata densa, sendo portanto aconselhavel programar um passeio ou caminhada com um guia experimentado que conheça bem o local, e que esteja familiarizado com aventuras diárias.

Existem mapas com indicação dos caminhos pavimentados e também de trilhas rusticas. Mas deve-se lembrar que é de fato uma floresta e como é muito extensa, deve-se saber a melhor hora para ir, até onde pode-se ir em função da hora do dia, tomar cuidados, principalmente se entrar por trilhas que não se conhece bem. Deve-se lembrar que é de fato uma floresta.

O local é muito visitado por quem aprecia caminhadas por áreas verdes, tanto pelas vias pavimentadas como pelas trilhas, e também por turístas que fazem passeios de jipes pelas estradas pavimentadas que cortam a floresta, passeios estes oferecidos por empresas especializadas. Entre os inúmeros pontos a serem visitados, estão cascatas, construções históricas, mirantes e a observação geral da selva propriamente dita.

Existem várias empresas de eco-turismo focadas nesse tipo de passeio rústico e caminhadas, que devem ser feitas em grupos acompanhadas por algum guia experiente ou por quem já esteve lá ou que conheça o local.

Como Chegar ao Local

Nesta página fala-se primordialmente da Floresta da Tijuca, cuja entrada principal fica no Alto da Boa Vista, e que é parte das terras que no passado eram chamadas de "Grande Tijuca". É neste local que existe um parque com muitas benfeitoriais, que o tornam um local com atrações pitorescas além de uma imensa reserva florestal, permitindo contato com a imensa mata através de vias pavimentadas ou trilhas.

A melhor entrada de acesso e mais próxima à Cascatinha, situa-se na Praça Afonso Vizeu, que por sua vez tem endereço na Rua Boa Vista, no bairro chamado Alto da Boa Vista. O local pode ser acessado por carro ou através de transporte público. Neste último caso, para quem vem de áreas da Zona Sul ou Zona Norte do Rio de Janeiro, pode-se utilizar o Metro e descer na Praça Sans Pena e de lá, na própria Praça, pegar uma van ou ônibus na Rua Conde de Bomfim, rua esta que margeia a praça. Escolha uma condução que siga em direção ao Alto da Boa Vista com parada na Praça Afonso Vizeu.

Existe outra página neste website que explica sobre os outros três setores do Parque Nacional da Floresta da Tijuca.

Floresta da Tijuca - Trilha, cascata e lagoFloresta da Tijuca - Vistas das Matas, Morros e Cascata

Acima, fotos de caminhos e trilhas em meio à densa mata, vista de uma cachoeira e também de um lago na Floresta da Tijuca. Acima imagens diversas da Floresta da Tijuca, mostrando a densa vegetação do local, cascatas e montanhas, e a cidade vista de um mirante.

Serviços, Benfeitorias e Atendimento

No local existem benfeitorias e locais de serviços e atendimento como "Centro de Visitantes" e local de vendas de souvenirs (ou lembranças), bicicletário (ou local para guardar bicicletas), Estacionamento, alguns locais de sanitários públicos (no centro de visitantes), áreas de lazer e restaurantes que servem a cardápio.

Entretanto é interessante ser precavido e preparado para o fato de que, algumas das benfeitorias ou locais de serviços e atendimento podem não estar funcionando plenamente ou disponíveis todos os dias, ou podem mesmo não estar disponíveis temporáriamente. Portanto se for visitar visitar leve água e um lanche consigo mesmo. E um saco para trazer de volta o material, para não poluir o local.

Pontos de Destaque na Paisagem e o Que Fazer

Além da floresta que pode ser vista através dos caminhos pavimentados ou através de trilhas rústicas, cercados de extensa vegetação, e além das vistas das montanhas circundantes e partes da cidade que ora se abrem diante dos visitantes, que por sí só são um dos brindes aos olhos de quem visita a Floresta da Tijuca, existem alguns pontos que podem ser enumerados.

Assim sendo, se tivermos que enumerar, entre os inúmeros pontos de interesse e atrações, pode-se dar destaque à Cascata Tauney e várias pequenas cachoeiras espalhadas pela floresta, o Lago das Fadas, a Gruta Paulo e Virginia, a Capela Mayrink, uma ponte suspensa feita de cabos com travessas de madeiras que passa sobre uma cascata, o Açude da Solidão, e uma fazenda em ruinas, que é uma reminescência dos tempos das fazendas de café, tempos estes anteriores ao replante da floresta, por determinação do Imperador Pedro II e seu governo.

Mirantes

Entre os pontos de destaque, no Parque da Floresta da Tijuca com entrada no Alto da Boa Vista, pela Praça Afonso Vizeu, está o Mirante Excelsior (com vistas para Maracanã, Tijuca e Centro) e a Vista do Almirante com vista para a imensa floresta tendo ao fundo e ao longe a Pedra Bonita e Pedra da Gávea.

Na Serra da Carioca (setor B), entre o Alto da Boa Vista e Jardim Botânico existe a Vista Chinesa, e Mesa do Imperador, de onde se tem belas vistas sobre as montanhas da zona sul e da cidade construída. O mirante do Corcovado e mirante Dona Marta, também estão dentro dos limites da Floresta da Tijuca como um todo, mas não dentro do setor do Parque com entrada pela Praça Afonzo Vizeu.

Pico da Tijuca

Para quem é adepto de caminhadas longas e rigorosas, pode-se escalar, ou melhor, subir caminhando até os 1012 metros do Pico da Tijuca. Existe uma trilha demarcada, mas é perigoso fazer a trilha sem orientação de guia experimentado.

História da Floresta da Tijuca

Abaixo uma história resumida da Floresta da Tijuca, atual setor A, cuja entrada se dá na Praça Afoso Vizeu, no Alto da Boa Vista. Em outra página deste website, voce encontra uma história mais completa, cuja fonte principal de pesquisa foi escrita por um dos 3 mais importantes administradores e restauradores da Floresta e Parque.

Orignalmente Floresta da Mata Atlântica

A Floresta da Tijuca dos dias de hoje é um pouco diferente da Mata Atlântica que existia à quatro séculos atrás, pois foi replantada e conservada, tornando-se um verdadeiro santuário no meio da cidade e também um local de lazer e turismo.

Entretanto é uma mata cerrada, e que de um modo geral, proporciona a mesma visão e impressão que proporcionava aos primeiros colonizadores que aqui chegaram no Século XVI. A floresta recebeu da Unesco o título de Património da Humanidade e Reserva da Biosfera, e conta com cerca de 120 km quadrados de árvores.

O Início do Reflorestamento

A Floresta da Tijuca começou a ser reflorestada durante a gestão do Visconde do Paraná como Presidente do Conselho de Ministros do Império, uma espécie de Primeiro Ministro, quando o regime político brasileiro era uma Monarquia Constitucional e Parlamentar, tendo D. Pedro II como chefe de estado e Imperador do Brasil. Em 1861, D. Pedro II nomeou o Major Gomes Archer com o primeiro administrador da floresta.

O motivo do reflorestamento se deu para recuperar os mananciais de agua e também pelo receio de que, o efeito da devastação que a floresta sofrera em função das fazendas de café que por anos exploraram a área, secassem os rios que abasteciam a cidade.

Major Gomes Archer, O 1º Administrador, Faz o Replantio

Um vez nomeado administrador da floresta, o Mojor Gomes Archer trabalhou inicialmente com 6 escravos e posteriormente com 22 trabalhadores pagos, plantando em 13 anos 100 mil mudas de arvores.

O reflorestamento foi feito com espécies, em sua grande maioria, nativas do ecosistema da Mata Atlantica.

Barão Gaston D´Escragnole, O 2º Administrador, Transforma a Floresta em Parque

O segundo administrador, Barão Gaston D´Escragnole continuou o replantio de 1874 a 1888.

O Barão não somente plantou mais de 30 mil mudas, mas também transformou a floresta em um parque para uso público, incluindo espécies exóticas, algumas pontes, fontes, lagos e áreas de lazer com a assistência do paisagista francês Augusto Glaziou que planejou os jardins da Quinta da Boa Vista.

Os Trabalhos de Raimundo O. de Castro Maya

Nos primeiros anos da República, o parque florestal da Tijuca foi esquecido, tendo ficado praticamente abandonado. No Século 20, Raimundo Ottoni de Castro Maya administrou a floresta de 1943 até 1946, fazendo o parque voltar à vida novamente. Castro Maya administrou, revitalizou e restaurou diversos sítios históricos da floresta sem ganhar praticamente nada por tal tarefa, com o único interesse de contribuir para a preservação de um local de imensa beleza e de importância ecológica-ambiental, histórica e cultural. Veja mais sobre a história da Floresta da Tijuca baseada em alguns escritos de Castro Maya e outras fontes.

Referências

Relato descritivo de visita do autor do website ao local e pesquisa em livros diversos acerca do tema.