Parque das Ruinas em Santa Teresa

Baía da Guanabara vista do mirante do Parque das Ruínas

O Parque das Ruinas, localizado no bairro de Santa Teresa, situa-se no terreno de um casarão que que já recebeu pessoas ilustres como Villa Lobos e a dançarina Isadora Duncan em sua época áurea, no início do século 20.

Hoje recuperado, é um espaço que promove atividades culturais e possui um mirante com vista magnífica para a cidade do Rio de Janeiro e Baía da Guanabara.

Bondinho de Santa TeresaConvento de Santa Teresa

Bairro de Santa Teresa

Museu Chácara do Céu em Santa TeresaParque das Ruínas em Santa Teresa

Como Chegar ao Local

O parque das Ruinas fica ao Lado do Museu Chácara do Céu, perto da estação Curvelo, em Santa Teresa, na Rua Murtinho Nobre, 169.

Vale a pena visitar ambos os locais no mesmo dia, já que são praticamente interligados.

Para chegar lá, pode-se tomar o bonde de Santa Teresa e descer na estação Curvelo. Depois basta caminhar um pouco, apreciando o casario e paisagem local.

Outra opção é tomar um ônibus ou taxi que os deixe no local. No bairro da Glória, perto da estação do Metrô, pode-se pegar condução que sobe o Morro de Santa Teresa, ou pegar um taxi que leva ao local rapidamente.

O Que Existe e o Que Ver no Local

No local, a principal atração é a casa com o mirante. A casa teve suas ruinas aproveitadas em composição com novas estruturas metálicas, que criam caminhos e escadas, por onde pode-se caminhar no interior do casarão, subindo de nível à nível até chegar ao terraço e mirante de onde tem-se uma bela vista da cidade.

Após observar as vistas e explorar todo aquele espaço, existe também no local um Bar-Café Lanchonete para refrescar a garganta e beliscar alguma coisa. Sandwiches também são servidos.

O local também conta com uma pequena praça, um palco, uma galeria, auditório e sanitários.

Abaixo o casarão onde situa-se o mirante do Parque das Ruinas, no ultimo pavimento da mesma. Neste local do mirante, sua antiga proprietária promovia movimentados saraus que agitavam as noites do início do século 20.

Antigo casarão que dá nome ao Parque das RuinasEscadas e pontes em estruturas metálicas levam ao mirante e levam a percorrer a antiga construção

As fotos que se alternam acima, mostram o antigo casarão que foi parcialmente recuperado, e hoje dá nome ao Parque das Ruinas. As escadas e pontes em estruturas metálicas, que são obras recentes para revigoração do local, levam a percorrer a antiga construção até chegar ao ultimo pavimento, onde se instala o mirante com ampla magnifica vista para a Cidade do Rio de Janeiro e Baía de Guanabara. Ao caminhar pelo interior da construção, onde as pareces ficam aparentes em alvenaria, tem-se uma verdadeira aula de metódo construtivo de sobrados do início do século 20.

História do Casarão

Em um painel de metal, exposto no local, existe um breve relato da história do casarão e dos fatos lá acontecidos. Também em rápidas palavras aqui um breve relato.

Na casa construída no terreno que hoje é chamado parque das ruinas, sua antiga proprietária, Laurinda Santos Lobo comandava um dos mais efervescentes salões da Belle Epoque carioca. Gostava de reuniões sociais, e em sua casa organizava seus saraus, onde entretinha seus convidados com música, dança, poesia, e um impecável serviço de cozinha.

Laurinda era uma mulher abastada, nascida em Cuiabá em 1878, e a riqueza e fortuna de sua família vinha da indústria agropecuária de exportação, naquela época provavelmente o principal ramo propulsor da economia brasileira. Era também sobrinha de de Joaquim Murtinho Nobre, um médico homeopata e também personagem de destaque na República Velha.

Grandes personagens e celebridades internacionais que estiveram de passagem pelo Rio quando era então capital da República visitaram e fizeram brilhar os salões da casa. Entre estas celebridades, destaca-se Isadora Duncan, pioneira da dança moderna que se apresentou no Teatro Municipal em 1916 e o escritor Anatole France. O brasileiro e também mundialmente conhecido Heitor Vila Lobos, frequentou os salões e lá tocou. Em homenagem à Laurinda, Heitor Villa Lobos compôs a peça Quattour -Impressões da Vida Mundana. 

Laurinda era uma personagem constante das crónicas de João Rio, um intelectual, escritor e membro da Academia Brasileira de Letras, tendo recebido dele o título de "Marechala da Elegância". 

A Criação do Parque das Ruínas

O Parque foi criado em 1996 por iniciativa da prefeitura do Rio de Janeiro, através da Secretária de Cultura da Cidade. O projeto é dos arquitetos Ernani Freire e Sônia Lopes. O projeto somou às ruínas do palacete neo-colonial estruturas em ferro e vidro, dentro de uma abordagem que se poderia chamar de pós-moderna. As estrutras criadas também fortalecem a casa e criam espaços de circulação interna em vários níveis, até alcançar o último nível, onde situa-se o mirante. O objetivo do Parque é oferecer espaço agradável para a cultura e e também para lazer e contemplação.

Livro sobre Laurinda

Laurinda Santos Lobo - Antiga proprietária da casa das ruínasExiste um livro chamado "Laurinda Santos Lobo, Mecenas, artistas e outros marginais em Santa Teresa" de autoria de Hilda Machado. O livro versa sobre a história do bairro de Santa Teresa e sobre os personagens que abrilhantaram a vida no bairro, enfatizando Laurinda, que estava na vanguarda da belle-époque carioca, em cujos salões passaram pessoas importantes e foram testemunha das transformações artísticas e políticas do pais.

Centro Cultural Laurinda Santos Lobo

Existe também um Centro Cultural que leva o nome de Laurinda. Situa-se também no bairro de Santa Teresa, mas em outro endereço, na Rua Monte Alegre, 306. Não confundir com o Parque da Ruinas.

O casarão que abriga este centro cultural, não foi em tempo algum de residência de Laurinda. Na verdade o casararão teve como primeira proprietária uma certa Baronesa de Parina, que foi também a responsável por sua construção em 1907. Mais tarde, pertenceu à um antigo senador do império e velha república, Joaquim Lima Pires Ferreira.

No ano de 1979, a prefeitura adquiriu o imóvel e o transformou num centro cultural com o nome de Laurinda S. Lobo, para homenagear a antiga moradora do bairro e agitadora cultural da cidade no início do século 20.

O centro cultural conta com salas de exposições, auditório e um acervo fotográfico sobre Laurinda Santos Lobo.

Referencias:

Visita do autor desta página ao local e consulta de livros e artigos sobre a história do Rio de Janeiro.

Se gostou, recomende: