Casa de Santos Dumont em Petrópolis

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Em Petrópolis situa-se a ultima residência de Santos Dumont. Também chamada "A Encantada", é uma pequena, exótica e interessante casa desenhada por ele mesmo, que hoje é um pequeno museu aberto à visitação.

Em uma praça da cidade, existe também uma réplica do avião 14-Bis.

História da Casa de Santos Dumont | "A Encantada"

A casa foi construída em 1918, após a compra do terreno por Santos Dumont, para ser sua residência de verão. O terreno é ingreme ou muito inclinado, e na época tido como impróprio e "local complicado" para construção.

Mas certamente Santos Dumont viu o terreno com olhos que outros não veriam, pois ele gostava de altura e o terreno era bem localizado, em frente à do antigo Palace Hotel, no mesmo prédio onde hoje é ocupado pela Universidade Católica de Petrópolis.

Ele mesmo desenhou e planejou a casa para sí mesmo, mas contando com a ajuda do Engenheiro Eduardo Pederneiras.

A casa fica na encosta do antigo morro do Encantado, e devido à esta localização, Santos Dumont a chamava carinhosamente de "A Encantada".

Curiosidades e excentricidades de Santos Dumont

Casa de Santos Dumont vista de frente

A casa de Santos Dumont em Petrópolis é um chalé do tipo alpino francês. A cobertuura de folhas de flandres. A casa tem uma espécie de porão no primeiro nível, sala no segundo nível, um mezanino usado para dormitório ligado à um banheiro. Possui também sotão sob o telhado.

Casa de Santos Dumont em Petrópolis

Localizada na escosta ingreme, antes de atingir o primeiro nivel, sobe-se alguns degrais de escada na encosta. O primeiro nível, demarcado por revestimento de pedras, era usado para oficina e laboratório. O acesso ao segundo piso, onde é a sala, se dá pela escada externa de madeira, vista na foto.

Casa de Santos Dumont vista de frente

Escada de entrada da casa de Santos Dumont em Petrópolis. Os degraus em forma de raquete ou pás permitem boa inclinação e ao mesmo tempo apoiar os pés plenamente. Do lado direito da escada, a entrada do porão usado para laboratório e oficina.

Santos Dumont tinha uma personalidade exentrica e a casa revela isto. Ela foi projetada de forma absolutamente prática e adequada à sua personalide. Compacta e pequena e com algumas "engenhocas" ou pequenas "invenções".

É pequena e sem espaços desnecessários, tendo no porão ou pavimento térreo um local onde ele usava como oficina e laboratório.

No primeiro pavimento, que fica acima do porão, acessado por uma escada externa em forma de raquetes alternadas, uma sala que servia como biblioteca e também escritório.

Dentro da sala, existe um segundo piso, que na verdade é um mezanino, também acessada por outra escada com degrais em forma de raquetes, onde fica um pequeno espaço usado para quarto de dormir e um banheiro.

A casa tem um pequeno terraço ou observatório num plano elevado, que é acessado do quintal, através de uma espécie de pequena passarela de madeira, cujo corrimão é uma corda esticada. Neste local, durante a noite, Santos Dumont passava horas observando o céu e as estrelas.

Certamente o fato do antigo Palace Hotel ficar em frente ao local da casa, pesou na escolha de Santos Dumont, tanto é que ele projetou a casa sem cozinha. Todas as refeições dele vinham do antigo hotel.

O segundo livro de Santos Dumont, uma auto-biografia chamado " O que eu vi. O que nós veremos." foi escrito nesta casa.

Santos Dumont levava uma vida metódica

A casa revela ser Santos Dumont uma pessoa muito metódica. O acolchoado sobre o móvel onde era sua cama, era colocado à noite e retirado e guardado durante dia o por uma arrumadeira diarista. No local só havia espaço para um colchão de solteiro.

Este leito ficava sobre uma espécide de arca-armário no mezanino, com muitas gavetas, e o local durante o dia podia ser usado como assento junto à uma escrivaninha do lado.

Sobre Santos Dumont

Alberto Santos Dumont, foi um grande inventor brasileiro, filho de fazendeiros de Minas Gerais, tendo nascido na fazenda dos pais em 1873 e falecido no Guarujá, estado de São Paulo, em 1932.

Foi um grande balonista, um grande desenvolvedor e piloto de seus próprios dirigíveis e pioneiro da avião.

Realizou o primeiro vôo em público decolando com um veículo mais pesado que ar sem a ajuda de impulsos e propulsão fora do próprio aeroplano.

Desenvolveu também o avião chamado "Demoiselle" ou "Libélula", seu aeroplano mais bem sucedido e copiado no mundo inteiro.

Santos Dumont foi um dos homens mais famosos e conhecidos no mundo em sem tempo de vida, mas principalmente na Europa, mais quando era uma celebridade dos ares, primeiro voando de balões, depois de dirigeis e finalmente de aeroplanos.

Um Inventor Magnânimo e Suas Invenções

O ultra-leve é na prática uma versão do "Desmoiselle". Santos Dumont abriu mão de registrar a patente e consequentemente dos royalts que a invenção poderia render, pelo puro magnânimo ideal de propagar conhecimento. As pranchas logo foram publicar em uma famosa revista chamada "Mecânica Popular" nos Estados Unidos, e qualquer pessoa que quizesse voar, tinha acesso à tecnologia e invenção de Santos Dumont.

Abaixo algumas invenções menos conhecidas de Santos Dumont:

O Chuveiro à Alcool

Como não poderia deixar de ser, além de outras particularidades, a casa possui também uma invenção.

No banheiro existe um chuveiro que fornece agua quente aquecida à alcool. Este deve ter sido provavelmente o primeiro aquecedor de água quente que não se utilizasse de aquecimento através de serpentina de cano de água passando através de fornalha ou fogão à lenha.

A Escada Raquete

Na casa existem duas escadas de madeira que se destacam, ambas com degrais em forma de raquete. Uma escada externa liga o primeiro nivel (onde fica o porão oficina) ao segundo nível (onde fica a entrada na sala da casa). A outra escada liga a sala ao mezanino-dormitório.

Este tipo de escada permite uma maior inclinação sem comprometer a segurança durante os passos, permitindo apoiar plenamente os pés.

O Mito da Supertição

Devido ao formato das escadas e disposição dos degrais, ela força o início da subida com um determinado pé. A primeira "escada raquete" do exterior da casa, força a subir com o pé direito.

Deste fato vem a idéia que Santos Dumont era superticioso.

Entretanto, após atingir o patamar superior e entrar na sala da casa, existe uma outra escada praticamente igual à esta ligando ao mezanino. Nesta segunda escada, o primeiro degrau fica do lado esquerdo, o que parece desmontar a idéia de supertição.

A Casa Museu

A casa se tornou um museu por vontade de seus herdeiros, os sobrinhos de Santos Dumont. Deste modo a casa foi doada à Prefeitura de Petrópolis com a condição de que a casa se tornasse um local de visitação ou uma instituição que homenageasse e perpetuasse a memória do grande inventor. Santos Dumont foi um tio magnânimo, e seus sobrinhos certamente também o foram, a realizar este ato.

A Encantada | Residência de Santos Dumont em Petrópolis

Deste ângulo pode-se perceber os três níveis da casa. Uma vez chegando ao patamar, onde fica a oficina-porão no primeiro nível, sobe-se para o segundo nível através da escada de madeira até o patamar elevado, também de madeira que fica de frente à entrada da sala da casa. A sala era usada também como biblioteca.

Dentro da sala, num nível mais elevado, existe um mezanino, que Santos Dumont usava como uma espécide de dormitório flexível. Durante o dia poderia ser usado como uma pequena sala ou escritório. A janela grande e mais alta do lado esquerdo, é a janela do mezanino.

No mesmo nível do mezanino, existe também o banheiro. A janela do banheiro não aparece na foto, mas fica do lado esquerdo.

A casa possui um sotão sob a inclinação do telhado, sendo a janela horizantalmente estreita escavada no telhado a iluminação do sotão, quase rente ao piso.

As duas pequenas janelas quadradas, do lado direito, acima da porta de entrada abrem-se para a sala. Como estão a grande altura do piso, Santos Dumon usava uma "engenhoca" que ao puxar um corda que amarrado à grade do mezanino onde dormia, ele pode abri-las ou fecha-las.

Como ir ou visitar a casa de Santos Dumont em Petrópolis

O Museu Casa de Santos Dumont situa-se em Petrópolis, cidade serrana à mais ou menos 1 hora de ónibus do Rio de Janeiro.

Uma vez que voce esteja no centro de Petrópolis, pode-se ir à pé, caminhando pela cidade e aproveitando para conhecer outros locais, pois a cidade é cheia de atrações turisticas e locais interessantes. Destacam-se o Palácio Imperial, belas praças e ruas arborizadas com alamedas de árvores em torno de córregos, inúmeros bares aconchegantes, o Palácio de Cristal, a Catedral onde repousa a familia real, e inúmeras outras atrações. A casa fica em frente ao prédio da PUC de Petrópolis, onde fica também o chamado Relógio das Flôres.

Localiza-se na Rua do Encanto, 22 – Centro. O ingresso é adquirido no local à um custo acessível à qualquer pessoa.

Referências

Se gostou, recomende: