Rio de Janeiro AquiRio de Janeiro Aqui

Casa dos Pilões ou Antiga Fábrica de Pólvora

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Dentro do Jardim Botâncio do Rio de Janeiro, existe uma casa que já foi a antiga Real Fábrica de Pólvora, que supria pólvora para os armamentos de defesa das terras brasileiras.

Trata-se também de um sítio arqueológio em meio às belezas do local.

A Casa dos Pilões é uma reliquia da arquitetura colonial

A casa das Pilões ou antiga Real Fábrica de Póvora, onde existia um engenho de moagem para produção deste material, é hoje um exemplar da arquitetura e técnicas construtivas do período colonial, e está aberta à visitação, sendo uma das atrações dentro dos limites do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

A casa funcionou como fábrica de póvora até 1831, ano este em que a fábrica foi desativada e passou por reformas, tendo ao longo dos anos subsequentes diferentes usos. A casa já foi laboratório e tambem residência de um botânico.

Pequeno Museu e Sítio Arqueológico

Hoje a antiga fábrica de pólvora é um pequeno museu, que leva o nome de Museu Sítio Arqueológico Casa dos Pilões. O acervo é a própria casa em sí mesma, ou seja sua arquitetura, seus elementos de construção e alguns elementos relacionados à antiga fábrica.

No interior da edificação, em algumas partes, existem escavações que foram propositalmente deixadas abertas, com intuito de mostar o trabalho de pesquisa arqueológico.

O interior da casa dos pilões revela detalhes construtivos da arquitetura colonial

O interior da casa dos pilões revela detalhes construtivos da arquitetura colonial.

Telhado e madeiramento da construção de arquitetura e engenharia colonial

Telhado e madeiramento da casa revelam os métodos e sistemas construtivos da arquitetura e engenharia do período colonial.

Paredes, vergas, contraventamentos e madeiramento da construção colonial

A madeira está presente não somente no madeiramento do telhado, mas também em vergas de paredes e contraventamentos desta edificação feita em tíjolos, típica da arquitetura e engenharia que vem do período colonial.

Dentro da casa da pólvora está em exposição permanente uma maquete que mostra como era o moinho utilizado para o fabrico desta substância. Fora casa, como mostrado na foto, está uma enorme roda talhada em pedra, com um eixo no meio, que era peça do moinho.

A casa é também interessante para quem se interessa por história da arquitetura colonial, onde se pode observar a construção e seus detalhes, como esquadrias e madeiramento do telhado.

A edificação revela metódos construtivos da engenharia e arquitetura colonial

O interior da casa dos pilões revela detalhes construtivos da arquitetura e engenharia do período colonial. Na verdade a fábrica de polvóra passou pelo período do Reinado de D.João VI no Brasil e também de D.Pedro I pois foi desativada em 1831.

No interior da casa foram feitas escavações e as paredes foram deixadas sem o reboco revelando a construção feita com alvenaria, pedra e madeira.

Na primeira foto ao lado, vista de cima para baixo, vemos o interior da casa dos pilões, com escavações propositalmente em aberto, e paredes sem o emboço, revelam detalhes construtivos da arquitetura colonial. A casa foi construída em alvenaria e também parte em pedra, provavelmente assentada com concreto ou argamassa utilizada na época, feita com uma mistura de oléo de baleia e cal.

Madeira resistente e de lei fazem parte das esquadrias, das vergas das janelas, do contravento ou "travamento" de algumas partes das paredes, e também do madeiramento do telhado.

Em alguns vão internos, a sustentação dos vão foi obtida através da colocação de alvenaria em angulo, como pode ser visto no vão de passagem visto na foto acim, do lado direito.

Madeiramento usado no telhado, vergas e contraventamentos.

A segunda foto da sequência vista de cima para baixo, mosta as partes superiores das paredes e telhado com os detalhes construtivos do madeiramento.

As treliças vistas na imagem tem um modo de trabalhar interessante sem a haste vertical de tração central.

A cobertura é feita com telha de barro do tipo capa e canal ou também chamada de telha colonial, e o madeiramento usa os caibros convencionais e ripas.

Na mesma foto acima, ainda são visto detalhes do madeiramento utilizado nas paredes as disposição dos tijolos sobre os vãos de passagem internos para dar sustentação.

Muito próximo ao canto esquerdo da junção das paredes, aparece um pequeno spot de luz, que ajuda a iluminar o ambiente.

Na terceira foto, vista ao lado, de cima para baixo, podemos ver também detalhes construtivos das paredes, vergas, contraventamentos e madeiramento da construção colonial.

Na parede em primeiro plano são vistas algumas peças de madeira rígida utilizadas provavelmente com fins de conferir rígidez e sustentação ao vão da janela. Na mesma imagem pode-se notar que, existe uma verga em arco feita em madeira, e também madeiramento disposto verticalmente e em angulo inclinado.

Na foto aparecem também, próximo ao teto, pequenos spots de luz, que ajudam a iluminar o ambiente e chamar atenção para os detalhes construtivos.

Veja mais detalhes construtivos mostrados na maquete do engenho e parte da construção da casa.

Casa dos Pilões | Reliquia da arquitetura colonial

Acima foto da Casa dos Pilões. Ao redor da casa, existem algumas pedras de moer ou mós que pertenciam ao antigo engenho de moagem da antiga Real Fábrica de Pólvora, e na foto pode ser vista uma destas pedras talhadas em formato de roda com um furo no centro. Veja também sobre o engenho de moagem da antiga fábrica de pólvora.

A antiga construção em arquitetura do período colonial é bonita pela sua simplicidade e estilo de linhas simples, quase rústicas. Fazendo parte do Jardim Botânico, compõe um belo cenário, com plantas e gramado á frente, e ao seu redor e densa vegetação composta de arvores e muito verde.


Referencias e Fontes:

  • Relato de visita e passeio no Jardim Botânico do Rio de Janeiro e consulta à livros sobre a história do Rio de Janeiro.
  • Fotos tiradas no local pelo autor desta página.